quinta-feira, 24 de julho de 2008

Finalmente, sombra


Faz mais de um mês que não chove em São Paulo. 

Estas são as primeiras nuvens que vejo desde que voltei de viagem. Minha garganta agradece.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Universo Binário - Episódio 005


Mais um episódio no ar. Neste, comemoramos os nove anos do site MacNews.com.br com uma entrevista com o seu criador, Rogério Taira. Converso também com o pessoal da MacFix sobre o lançamento mais esperado do ano: o iPhone G3.

www.mntv.com.brassine pelo iTunes ou pelo Miro.

terça-feira, 22 de julho de 2008

"Why so serious?"

 
The Dark Night me impressionou muito. Não é um filme de super-herói como os outros, ou mesmo como o primeiro. Ele é obscuro, tenso, complexo, cheio de reviravoltas e diálogos. Muitos diálogos. Além do usual, ouso escrever. 

Por acaso mencionei que ele é tenso? Pois é. Fiquei realmente exausto no final da projeção. 

Christopher Nolan, o diretor, sabe o que está fazendo. Ele colocou a dose necessária de cenas de ação no filme, mas sem exagerar. E para falar a verdade, acho até que ele não deu tanta importância para elas. Mas investiu muito. Seis delas rodadas inteiramente em IMAX, sendo esta a primeira vez que este formato de 70 mm é usado com destaque num filme mainstream. Nem por isso, Nolan permitiu que estas sequências se tornassem maiores que a trama, cuidadosamente costurada com a ajuda de seu irmão, Jonathan Nolan.

A dupla realmente pode ser chamada de "dinâmica" (perdoem o trocadilho). Os irmãos Nolan, quando juntos, produzem frutos cinematográficos únicos e incomparáveis. Seu primeiro grande sucesso, Memento (Amnésia é o péssimo título aqui no Brasil), é um dos meus filmes favoritos. A dupla fez também The Prestige (O Grande Truque, outro péssimo título). Estou entre poucos que considera ambos obras-primas.

Mas voltando ao nosso Cavaleiro das Trevas: não posso esquecer de mencionar a brilhante e temível performance de Heath Ledger. Após ver como ele preparou o seu Coringa, sentiremos realmente sua falta como um dos grandes atores da nossa geração. Não posso esquecer de Aaron Eckhart como o dúbio Harvey Dent, Gary Oldman como o Tenente Gordon, e Maggie Gyllenhall como Rachel Dawes, ótima substituta para a insuportável "Joey Potter".

Acho que vou ter que assistir o filme de novo. Por acaso mencionei que ele é complexo?

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Minha musa não quer posar nua


E acho admirável da parte dela.

 Veronica Belmont tem 25 anos e é a mulher perfeita (na minha cabeça de divorciado, isso não deveria existir mas ainda não perdi as esperanças). Formada em produção de áudio, ela estreou no mundo pro-blogger apresentando videos com resenhas de produtos. Aqui tem sua comparação entre o Nokia N95 e o iPhone. Depois foi apresentar o Mahalo Daily com matérias variadas do interesse dos geeks em geral.

Hoje, ela apresenta o vidcast Tekzilla junto com Patrick Norton. Foi recentemente contratada pela Sony para produzir o novo Qore para o Playstation Network e mantém seu próprio blog.

Uma verdadeira geek e realmente talentosa. Infelizmente ela namora o editor chefe bolha do Engadget. Nada atraente como este que vos escreve.

Atualmente ela participa como candidata de uma pesquisa da Playboy para eleger a geek mais bonita. A vencedora será convidada a posar nua para a revista, algo que ela já declinou. Nem por isso deixou de ganhar o meu voto.

Fico suspirando como o Wall-E toda vez que ela entra em cena. Aahh....

Quando o ego não cabe no trailer...

... já dá prá saber que coisa boa não vem.

Não sou daqueles muitos que lambem o pé do Woody Allen. Acho ele insuportável.

Felizmente desistiu de aparecer nos próprios filmes. Agora além de velho, ficou preguiçoso. Nem colocou diálogo no trailer do seu novo filme, "Vicky Cristina Barcelona", e encheu de clichés. Sexo hetero, sexo homo, traição e morte. (sono...)

Não adianta colocar Scarlett Johanson, Penelope Cruz e Javier Bardem num mesmo filme, deixar tudo com cara de Almodóvar (outro insuportável), nem sequer preparar um trailer descente e achar que ainda é "o fodão".

Sua única conquista dos últimos dez anos se chama "Match Point". E é só.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Meu 360 morreu


Até que demorou. 9 meses. Mas esta é uma realidade que todo dono de XBox 360 irá encarar uma hora ou outra.

De acordo com este artigo no site de suporte da Microsoft, três luzes vermelhas indica falha de hardware. De acordo com o carinha da Sta. Ifigênia que consultei, o 360 esquenta tanto que derrete os pontos de solda da GPU. Realmente um ótimo design.

Liguei na central de suporte do XBox aqui no Brasil e, graças a garantia de um ano que recebi junto com a compra do kit brasileiro, a Microsoft vai trocar meu console por um outro novo. Eles não realizam reparos do console no País.

Só espero que o novo não apresente o mesmo problema no ano que vem.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Minha mãe comprou um celular!



Nem acreditei. Ela mesmo que escolheu. Fez tudo sozinha.

A coroa acabou de completar meia-três e tem aversão a tecnologia. Já tentei por algumas ocasiões mostrar para ela um computador com internet, mas ela não se interessou. Achou complicado e desinteressante. Então, desisti.

Ao contrário, o celular ela achou o máximo, principalmente a câmera, que por sinal é uma bosta. Mas não importa, o que importa é que agora ela está tirando foto de tudo.

A interface ainda gera algumas dúvidas para ela, mas não impediu dela descobrir como tirar fotos, SOZINHA. Quando cheguei de viagem, a primeira coisa que ela fez foi, muito orgulhosa, mostrar as fotos que ela já tirou. Todas do Rogério. (Isso que dá ser filho único.) 

Ela tirou fotos dos porta-retratos. Dá prá acreditar? Assim dá prá ela ter as fotos do filhinho na bolsa, aonde ela estiver. Achei simplesmente genial. Me fez lembrar de uma teoria que o Al Ries citou pouco antes do lançamento do primeiro iPhone. Em resumo, "um celular com câmera não é um celular melhor, nem uma câmera melhor. Mas cativa o público por um único motivo: conveniência."

Imagino o que vai acontecer quando ela descobrir o Nintendo Wii. ;-)

And we're back!


Depois de três semanas na Europa, estou de volta. Consegui realizar dois desejos que tinha há muito tempo: assistir a um show do R.E.M. e um do Radiohead. Duas vezes.

Montei uma viajem de três semanas ao redor dos shows das bandas, terminando no Rock Werchter, um dos melhores festivais de música que acontece uma vez por ano, na Bélgica.

Foi um itinerário agitado, com poucos percalços e ótimas surpresas.

Tenho muitos assuntos para atualizar, sobre a viagem e outras coisas. Por enquanto, fiquem com as fotos do show do R.E.M. em Amsterdam.

É bom estar de volta.