quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

“Quando crescer eu quero ser publicitário...”



Este filme foi feito para os Addy Awards, prêmio da American Advertising Federation, inspirado nas peças da Monster.com, um site de empregos. Segue abaixo uma livre tradução para os deficientes em anglo-saxonismos.

“Quando crescer quero trabalhar em publicidade.

Ser forçado a trabalhar 10 horas por dia... 12 horas por dia... 14 horas por dia...

Trabalhar como cachorro e me ferrar por um aumento de U$ 1.500,00 por ano.

Quero ser um coordenador de contas. Ser um peso de papel de luxo. Pegar café e rosquinhas. E sentar nas reuniões com os clientes e contribuir absolutamente nada.

Quando crescer quero ser um profissional de mídia. Ser um comprador. E ter o meu saco puxado por todos os veículos do planeta.

Quero ser um diretor de criação. Ter uma cabeça enorme. Guardar os melhores projetos de TV para mim mesmo. E me acabar até os 40 anos.

Quero ser um Web Designer. Um freak. Usar termos que ninguém mais entende e me convencer que eu não sou mais o geek que costumava ser no colégio.

Eu quero lançar idéias para novos negócios. Preencher pedidos de orçamento inúteis. E não receber nenhum puto por isso.

Eu quero ser um redator. Um egomaníaco. Ficar acordado noites afora escrevendo o maior livro da história que nunca será publicado.

Eu quero ser um diretor de arte. Usar roupas pretas. Fumar muita maconha. E dar chilique sempre que não conseguir o que quero.

Eu quero ser diretor de agência. Dizer às pessoas o que fazer. Me auto-justificar por ter um péssimo temperamento. Quero estar tão fora dos eventos do dia-a-dia que será necessário um guindaste para tirar minha cabeça enorme de dentro da minha própria bunda.

Eu quero ser contador. Quero ser recepcionista. Quero ser recursos humanos. E ser considerado nada além de excesso de pessoal.

Quero ser gerente de produção. Me tornar um expert um firulas e breguices. E apontar o dedo sempre que algo sair errado.

Quero ser um executivo de contas. Um puxa-saco. Cobrar por horas não trabalhadas. E perder qualquer resquício de coragem sempre se entrar numa reunião com o cliente.

Quando crescer quero ter minha própria agência. Ter um sala de esquina. Ver meu nome na porta. E fazer as pessoas se perguntarem o que faço o dia inteiro.

Eu quero ser um produtor. Ter orçamentos enormes. Nenhum orçamento. Fingir que sou Cecil B. Demile.

Quando crescer quero trabalhar com publicidade. Ganhar um Clio. Um Tony, Aparecer no One Show. Receber um Addy e ser objeto de inveja de todos os meus amigos.”


Monster.com. Deve haver um emprego melhor por aí.”

Nenhum comentário: