terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Test Drive HD


Hoje, passei na MegaStore Ponto Frio da Marginal Tietê para ver se já tinham o decodificador. A Philips montou um stand só prá demonstrar o aparelhinho. Fiquei quase meia hora fuçando no que pude, pois o vendedor se negou a pegar o controle remoto para mim.

Antes de mais nada. Imagem HD é tudo de bom. Linda, brilhante, super-detalhada. É ver para crer.

O decodificador da Philips é completo no que diz respeito a conectores e resolução. Aceita os três formatos de resolução da TV Digital brasileira: 480p, 720p e 1080i. Tem uma saída HDMI e uma componente, para televisores HD. Uma S-Video e uma composta, para televisores SD. Em áudio, também é completa: digital ótica, coaxial e RCA analógico.

Pode-se ver no canto direito da foto uma parte da antena UHF. Colocar este treco na sala não é nada elegante. Faz lembrar as Plasmatic que "pegam até neste mundão". Sugiro optarem por uma antena externa. Mesmo assim o sinal dentro da loja estava perfeito em todos os canais abertos, menos na Record.

No momento que estava lá, por volta das 18h00, só tinha um canal com programação em HD: a RedeTV, que passava Donas de Casa Desesperadas, remake brasileiro do Desperate Housewives. Nem sabia que existia isto.

Me parecia que havia sido gravado em 1080i pela forma como o imagem "flicava", além do display na tela do televisor também me passar esta informação. Daqui tiro a primeira conclusão sobre qualidade de imagem: 720p, apesar de ter resolução menor, apresenta uma qualidade de imagem melhor que a 1080i. O flicker do entrelaçado realmente não me agrada. Além disso, uma imagem progressiva respeita melhor a estética de linguagem cinematográfica, algo que todos os produtores de ficção na TV certamente vão querem alcançar.

Com apenas um único toque no painel do decodificador, pude converter a imagem de 1080i para 720p e 480p. Segunda conclusão: comprar o decodificador para assistir numa TV SD atual, não vale a pena. Apesar de ganhar qualidade no áudio, um programa de HD visto em SD não fica legal, além de ser overkill total.

Já, assistir um programa SD em HD é "totalmente excelente". O decodificador faz um ótimo trabalho de upscale. A qualidade da imagem é muito melhor que das TVs por assinatura que oferecem transmissão digital, como a NET TV, que tenho aqui em casa. Isto se dá pois a nova TV Aberta Digital usa compressão de vídeo no formato MPEG4 H.264, melhor codec disponível no mercado atualmente. As TVs por assinatura ainda estão travadas no temível MPEG2, que gera mais artefatos na tela que documentário de arqueologia da National Geographic.

Veredito: R$ 1.100 (TV não incluída) por um brinquedo deste ainda é caro. A não ser que você seja fissurado por TV aberta e tenha a grana prá gastar. Como já disse antes, ver TV em HD cria dependência. Faz todo o resto parecer YouTube.

Um comentário:

Beth disse...

Não entendo nada quando você fala sobre essas coisas. (Consegue imaginar meu queixo caído lendo esses posts?...) Mas eu gosto de ler mesmo assim.

7 posts em 3 dias! Wow!