quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Photoshop. Só ele é assim.

Tive que instalar o novo Leopard, sistema operacional da Apple, pois iria fazer uma apresentação dele num evento do portal MacNews. Como todos os novos produtos da Apple, as primeiras versões são sempre traumáticas para os usuários. Ou porque (1) muita coisa muda e é necessário se acostumar, ou (2) porque simplesmente dá pau.

Tive o problema 2. Meu Photoshop simplesmente parou de funcionar.

Devo declarar antes de mais nada que estava usando a versão 7.0, lançada em 2002. Cinco anos na industria da informática é uma eternidade. Mas ele funcionava. Abria meus PDFs do Pages e tinha total controle sobre sua conversão para JPEGs. Option+Click+Arraste... voilá... layer duplicado. Basicamente fazia isso.

Agora, sou responsável por tudo o que é relacionado a divulgação da banda. Esta semana, o Photoshop fez muita falta.

A comunidade de desenvolvedores para Mac é muito grande e dedicada. A maioria dos aplicativos que uso com muita freqüência são gratuitos ou sharewares muito bons. Não tenho muitos softwares piratas no meu Mac. Mas o Photoshop era um deles. Por isso, tentei diversificar e baixei dois aplicativos baratos mas super modernos para desenvolvimento gráfico.

O primeiro foi o Lineform, para desenhos. Bem mais legal que meu Freehand de 2003. Este, por sinal, já foi descontinuado. Aplica efeitos vetoriais muito legais sobre linhas e efeitos bitmap não-destrutivos, evitando o processo de exportar pro Photoshop. Uma mão na roda. Por isso, comprei. US$ 80,00. 9 Mb. Que aplicativo hoje, ocupa isso. Nem meu navegador.

Mas ainda senti falta de um editor bitmap com layers. Tentei o Pixelmator. Que decepção. Apesar de usar toda a tecnologia Core Image do Leopard fazendo ele ser über-rápido, deixou muito a desejar. Primeiro, os atalhos de teclado não funcionavam. Os comandos não eram tão simples como os que estou acostumado há uma década. Coisas fora de lugar. Um problema. Economizei US$ 60,00.

Aí fui pesquisar o Photoshop. Está na versão 10.0, também conhecida como CS3. Simplesmente fantástico. Além das milhares de aplicações que não sabia mexer, ele tem mais outras milhares que nunca chegarei a usar. Mas era terreno conhecido. Todos os atalhos são os mesmos e as caixas de diálogo e opções que sempre usei ficaram uma maravilha. 790 MB! Só o download. Instalado, 1,3 Gb! Demorei uma tarde inteira para baixar o Trial e instalar. Mas no final, funcionou.

Agora, o problema. Como ficar sem. Ele vence em 30 dias. Depois, terei de pagar a bagatela de US$ 835,00! Pirata? Agora os aplicativos da Adobe tem um DRM similar ao do Windows. Ele verifica a versão online.

Ao mesmo tempo, a versão original vem com manual, uma porção de imagens royalty-free e um montão de outras tranqueiras. Será que fazem parcelado com desconto pra estudante? Minha carteirinha da Belas Artes vale até Março. Caso contrário, terei que dar um jeitinho brasileiro. Ou, tá na hora da Adobe fazer um Photoshop Express.

Hmm... quem sabe o Gimp? Putz... só funciona no X11! Eca. Oh, well. Fazer o que?

Nenhum comentário: