quinta-feira, 5 de janeiro de 2006

A Visão Aquática de Wes Anderson

Depois de ser totalmente ignorado nos cinemas brasileiros, a comédia levemente surreal A Vida Aquática com Steve Zissou chega às locadoras. O diretor e co-roteirista Wes Anderson (Os Excentricos Tennembaums) traz, mais uma vez, sua visão e humor bem peculiar.

Bill Murray (ótimo) é Steve Zissou, um oceanógrafo a lá Jacques Cousteau, um plena crise de meia idade. O principal membro de sua equipe foi comido por uma espécie nunca vista de tubarão e seu último documentário teve baixa receptividade no festival de Roma. Sem patrocínio para continuar, Zissou acaba conhecendo Ned, presumidamente seu filho ilegítimo. Este, por sua vez, acaba de herdar US$250.000. Sem hesitar, Zissou convida Ned para particiar de sua equipe e parte para mais uma aventura: matar o tal "Tubarão Jaguar", por mais anti-ecológico que pareça.

Cheio de diálogos bem sacados, participações de peso e direção de arte primorosa, o filme é imperdível, ficando um passo de "Aperte Os Cintos ... O Piloto Sumiu". Angelica Huston é a "cabeça" da equipe. Willem Defoe é o técnico alemão. Jeff Goldblum é o concorrente. E Seu Jorge (sim, ele mesmo) ... bom ... ele toca violão e canta David Bowie em português.

Belafonte, o barco, também é um astro. Um modelo dele construído em tamanho real, e cortado na metade, serve de cenário para as atuações. A câmera sobe e desce entre as pontes em plano sequência. A fauna aquática é animada em stop-motion com um toque surreal, dando um aparência "Monty Python" ao filme. Não posso esquecer das sungas azuis e das tocas de lã vermelhas. Genial.